Balonista

Um querido amigo, que está se preparando para alçar novos vôos, me enviou esse belo poema há alguns dias. Venho olhando para essas bem-traçadas linhas, pronta para divulgá-las aqui, mas esperando aquele momento de inspiração para apresentá-las. Acho que gostaria de me despedir à altura.
Mas que grande bobagem da minha parte! A melhor maneira de se sentir inspirado é sentir sem pretensão, e esse querido amigo e sua poesia são pura emoção.


Balonista

Sou balonista nesse céu da vida
Errante ao sabor do vento
Admirador das paisagens traçantes
Transformadas em saudade na esteira do tempo

Um rio sinuoso cintila a luz do sol
Se insinuando para me atrair
Mas preciso seguir viagem
Fica a saudade

Árvores estendem suas copas como braços abertos
Como se pedissem "me leva contigo"
Não posso ficar, não posso levá-las
Levo a saudade

Gaivotas me acompanham por um instante
Decerto convidando para migrar com elas
Mas só o vento é meu guia
Deixarão saudades

O horizonte me chama
As nuvens me amparam
A incerteza me estimula a continuar
Não quero pousar

O preço é a saudade
Um castigo pelo que deixei passar
Um regozijo pela belíssima viagem
E que venham novas saudades...

Gustavo Santos

Não quero mais me despedir, porque não vejo necessidade.
Gas, somos todos balonistas, e estaremos acompanhando teu percurso de longe. Quem sabe o vento não nos leve a lugares comuns de vez em quando?

E pra finalizar, uma linda música, também sugerida por Gas, para amolecer nossos corações já saudosos, e cheios de alegria pelo amigo vitorioso.


3 comentários:

carlinha disse...

Lindo, lindo, lindo! :D
Boa sorte, Gustavo!!

Fulyra disse...

É, ele se vai...

Nivix disse...

Snif, snif, o pequeno Gas está crescendo =) Parabéns, rapaz! Ele é legal, não vai esquecer os amigos buerais!